sexta-feira, 26 de setembro de 2008

ruir!

Passei a passear pelas casas alheias,
Vi as coisas que ruíam-se,
Passei o tempo a admirar como ruíam-se,
O tempo passou e eu lá admirando-as,
Quando dei por mim quem ruiu fui eu...

...E as coisas continuaram de pé!

9 comentários:

Anônimo disse...

Gosto muito do que você escreve.
Apesar do suave desconexo que suas frases causam em mim.

beijo,Ana

Lilian disse...

Téo, escreveu pensando em mim?

[/sonsa]

Joana disse...

"Apesar do suave desconexo que suas frases causam em mim."
Pouco original copiar assim?
Que seja.

Ciciliatti S. disse...

Essa joana aí, que morra ela.
Ex do Dalmo, nem perca seu tempo.

Notas de velho chapado disse...

Quem é ana?

Anônimo disse...

Ana é uma pessoa que viu por mero acaso, Téo, em comentario postado em determinada pagina de algum perfil desses sites de com-vivencia(talvez conveniencia)e resolveu clicar onde havia escrito "Notas de um velho chapado".Deveras interessante o nome.Tornei-me assidua de seus "devaneios"(?).
novamente,

beijo,Ana

Notas de velho chapado disse...

Gostei de novamente. Adoro casos antigos. Mas compadeça-se, Ana. Compareça. Vai lá no orkut e adiciona!:) Ou, se já me tens, identifique-se.


Odeio domingo a noite, alérgico e sem conhaque pra ficar comovido como o Diabo.

Anônimo disse...

Não há como adicionar pois nao participo de tal site.Existe um fake eu acho.
Nao me conhece.Me identifico sempre que escrevo.
atenciosamente,

Ana ;)

Notas de velho chapado disse...

ok!:) uma boa, mas curio. Bon nuit, Ana.