sábado, 28 de agosto de 2010

Que se fodam Shakespere, Pessoa, Wolfe e outros.

Tinha 26 anos, meu quarto estava sujo, muito bagunçado, há mais de um mês não havia limpeza por aqui, livros jogados por todos os lados, papéis rasgados de poemas ou contos que em nada se pareciam com algo que prestasse. Tossia muito, tinha febre e as garrafas de conhaque que ganhava dos conhecidos feito esmola estavam vazias e cheias de vermes bêbados pelo tempo que já se encontravam no chão.
Não comia ninguém, não porque não havia mulher que quisesse me dar, mas é que as que queriam me dar eram burras, mulheres inteligentes não queriam me dar, mulheres independentes não queriam me dar, eu não queria que me dessem, se quisesse, estaria lá, tentando. Algumas diziam que me amava. Outras escreviam textos a fim de me conquistar, mas eu não acreditava no amor e a diferença entre elas era visível: umas me expunham a alma. Outras a boceta. E pra um homem que crê na materialidade a boceta é sempre mais apetecível. Você pode passar anos comendo uma mulher que não te acrescenta nada ou várias delas e isso te sustentar o ego. Mas depois que vê, que pras mulheres mais inteligentes você não passa de um mesquinho desgraçado que bebe e fuma , deve haver algo que aspira com mais eloqüência.
E via muita gente reclamando da vida, inclusive eu que sempre costumava beber invés disso. Não tinha trabalho, nem dinheiro, nem amigos, nem mulheres que prestassem e a vida estava à espreita da manifestação incólume literal. Meu telefone tocou e a moça me disse que estava nervosa, TPM fora de época, precisava fumar um baseado, mas se ela soubesse que eu odiava baseado não teria falado nada disso pra mim, não gosto das coisas que me deixam mais retardado do que sou. Exatamente por isso não lia Shakespeare, Wolfe, Jô Soares e afins. Era hora de parar de reclamar, mas eu queria dizer que se você for uma mulher inteligente e quiser me dar, me procure, no mais, se não for, vá à merda, leia Pessoa e chore horas a fio por um sonho idiota que sustenta sua alma romântica e perdida. Sua Tola.

Um comentário:

karine luadek disse...

blablabla de homem chato...
ainda sim o blablabla escrito muito bem!
sempre que venho ao blog sei que vou ler algo realmente bem escrito!