quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Louco, Louco, Louco.

Não quero que você esteja disposta a me levar nos corredores da tua alma, não quero que seja ensejo em uma peça qualquer. Você abre os horizontes, tira o tempo nublado, você ergue o sol, você o põe, o céu vermelho, é nítida a sensação sonar do coração gritando pela vida.
Quero que de repente faça sentido, porque pra mim, ler isso, te transforma numa imagem natural diante dos meus pensamentos.
Você é linda, cativante, apaixonante e amorável, de todas as coisas me sobra só um sentimento, aquele inexplicável, que faz o coração tingir o corpo de vermelho e verde, a fim de paixão e esperança.
Mas essa vida tem me posto à prova, tudo tão louco, tão senil, tão amplo, que a vida tem andado paralela aos corredores de um hospital psiquiátrico. Louco, louco, louco...

5 comentários:

Laisa disse...

Quem diria?!?!

Aline Patrícia disse...

O texto é lindo, singelo, com todas as notas e cores que poderiam construir uma inusitada paixão. Quando a gente pensa que já pode definir o comum de tua escrita, vc reverte tudo, contraria as expectativas que vinha construindo nas últimas publicações e a gente fica assim, meio incrédulo com a diversidade. O que resta, então, é dizer: "esse Téo é mesmo foda!".
"Parece que somente aos meus olhos tua imagem não é de fracasso" - lembra-se? Sou boa com isso de guardar detalhes, guardo trechos, falas, guardo tudo para fazer o meu jogo, para ter a cartada certa na hora precisa, sem blefes, não contando com a sorte que nunca tive, mas com a sapiência que todo aquele que é orgulhoso de si julga possuir. Só que vc barra a minha "desenvoltura", me obrigando até a querer postar depois, não adiantou, assim como ocorre com alguns outros textos teus, a reação é a mesma na primeira ou na centésima leitura. Digo que esse foi uma afronta à minha pretensão, me incita o querer/pensar/dizer e até subverter uma lógica qualquer à qual ainda me vejo aquém.
Pensei em comentar como anônimo, mas não adiantaria, a despeito de qualquer coisa, sempre acabo me "entregando", seja pela extensão dos comentários, seja pelo atrevimento de sempre querer ler mais do que aquilo que é evidente.

Um beijo da Pati :)

Janaina Cristalina Prolixina. disse...

Se não o, um dos mais lindos textos que você já escreveu. O seu talento pra qualquer estilo não é discutível. É impressionante como você se dá bem com as palavras e as usa de modo que a leitura flua. Se todos os escritores escrevessem como você eu juro que leria mais coisas que não fossem Economia. Eu acredito muito no seu talento, não só eu, mas todas essas pessoas que passam aqui e lêem suas coisas. Aqui vai mais um dos 1 milhão de parabéns que eu já te dei pelo seu talento. Parabéns.

Dindi disse...

Lindo, Téo.

Dindi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.