quarta-feira, 29 de abril de 2009

Fritz.

Téo era o nome dele, Téo Fritz, não tinha nada em comum com alemães, mas adorava chopes aos metros. Tinha uma mulher, chamada Gabriela, Gabriela era linda, tinha olhos claros, sorriso quente, língua quente, corpo esbelto, trepava com ela todos os dias, ainda que alguma das duas mãos.
E dizia a ela que poderiam ser quem fossem de forma diferente, trivial, amorável e tudo mais. Bastava crer que a coisa fluía. Tinha alguns quadros nas paredes do quarto, uma parede azul, alguns blocos expostos pelo lado de fora da residência, era temente ao diabo e a Deus, porque nunca soube a diferença de um de outro a não ser as letras maiúsculas.
Téo Fritz sonhava em amar quando menino, tinha um sonho desesperador de encontrar uma amante que pudesse vertê-lo quando grande, mostrá-lo insano, fazê-lo brilhar os olhos, amá-lo enquanto defeituoso, amá-la enquanto defeituosa, aceitar os defeitos, falar de jogos, virtudes, amores, PALMEIRAS! Ah, o Palmeiras.
O amor era uma busca geniosa pro ego de Téo, Téo não queria encontrá-lo se fosse pra nadar na bosta depois de conhecê-lo, Téo não queria o amor de Shakespeare ou Camilo Castelo Branco, era muita melosidade e idiotice pra uma galera só.

- Eu preciso muito de você, Gabriela. Da forma que venho lidando com nossas vidas, é como se eu não precisasse mais de outra pessoa, você não veio pra me completar, já era um inteiro antes de ti, você veio pra me fazer duplo, um homem mais forte, mais capaz, valente por dois, te fiz um poema:

“E como um gato num alojamento
te incomodo.
Se visses quando ouço Tchaikovsky
o quanto de mim vira cisne a te dançar.

Mas você não vê que te amo tanto,
se possível fosse me ver, verias mal e acabado, triste e indolente.

Por mais furtivo que eu seja, o pecado não me rebaixa
a santidade não me enobrece.

Já que você existe, Gabriela. Deixa de ser pimenta e me arder,
apenas deixe, deixe-nos, aconteça-nos”

E ela nada disse.

6 comentários:

Anônimo disse...

Esse é o verdadeiro Téo... é dessa forma que tu deverias te mostrar pro mundo.

O amor existe sim... e é eterno... tu sabes disso... sabemos.

A foda é passageira... como todas essas que se sentem tuas e passam tão rapidamente, quanto o tesão que fervilha em você.

Esse é o MEU Téo... e quando digo que ninguém te conhece, eu sei o que estou dizendo.

Menina.

Anônimo disse...

:)
Amei meu lindo!!!

Sinto tanto a tua falta...

Bjus

Tua Pequena.

CLS

Anônimo disse...

Prefiro, neste exato momento. Nada comentar!

e só por este comentanho vc ja sabe quem é né benhê!

¬¬

D. disse...

ha ha ha!
É divertido demais entrar aqui e ver essas gatas se arranhando por vc!

Lilian disse...

Belo texto, Téo.
Não sou Gabriela, mas identifiquei-me.


Beijo meu.

=***

Moreninha disse...

Que lindo...


(sem mais)