quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Téo!

Ele acorda, e pronto pra se abster da vida, anda. Logo, ao andar se sente perto do serviço e vai trabalhar, fica o seu primeiro período inteiro na internet vendo sites de inutilidades, porém, muito pessoais. Conversa com os amigos relembra o dia de ontem.
Faz de conta que tudo esta bem, e esta bem e não seria necessário fazer de conta, mas ser falso é sempre mais fácil, brincadeiras daqui, brincadeiras dali, “Téo cara de pasTÈO”, infantilidades que só mesmo o tempo da hora do almoço oferece, prestes a lutar por alguém e prestes a desistir da mesma... ...tudo isso é fato.
Eu acompanhei esse rapaz por uns dias, não foi fácil, sempre longe de si mesmo e de tudo o que sonha, chega a dar agonia, quando se vê que vive, sem viver. Rapaz de paz, amor, adjetivos completos de vida poderia viver perfeitamente como tudo que queria viver, mas sempre tem entre lances de memória, e resgates de desculpas uma frase de um psicoterapeuta chamado Flavio Gikovate “Admiração é fator de escolha, e não de amor!” e sempre acha que o que escolhe não vai nunca poder amar, também pudera, seus gostos são péssimos.
Enquanto um coração queima, a vida se refaz é engraçado como esse pobre coitado sabe reviver sempre, ressuscita todo dia como se tivesse uma vida a cada hora que quisesse viver, e sempre as vivia.
Costumei a seguir sua sombra, e vi que poderia ser igual a ele, de cores, de bastões e palavras, depois de tê-lo, persegui-lo, vivê-lo e morre-lo, tive a ousadia de também ressuscitar, e as ruas não serviram pra andar. As folhas não serviram pra implante de oxigênio, não tive multas de transito, sim as tive e foram à toa, não tive exageros a serem julgados, eu quis viver como um téo viveria, eu quis viver e partir dali tomei posse desse ser, eu fui alma, ele corpo; hoje somos um, adiantaria mais os inteiros juntos, ele me completa, eu o completo vivemos a mesma vida, trabalhamos na mesma empresa, amamos a mesma mulher, ouvimos as mesmas musicas... ...numa cumplicidade de se tornar inveja a outros seres não completos, simplesmente humanos.

3 comentários:

Anônimo disse...

Eu ja o deseijei também.

Cabeça.

Anônimo disse...

*desejei

Poliana disse...

vc tem tanto de amor e odio em ti ... :/